7 de Janeiro de 2014 em Geral


SOLIDÃO

Foi no silêncio da noite,
que uma letargia,
vazia, sem memória
ou sonhos
que me alimentassem
a ausência de sons, que despertei
pra minha condição solitária.
Os raros lampejos de consciência,
acompanhados de tristezas
que me vigiam a vida,
Neste vácuo, espécie de limbo, neutro,
Foi que vi, neste instante passageiro
De lucidez, uma voz interior que me chamava
Á realidade, e nesta inesperada clareza
Me percebo sozinha no escuro
Impregnada de solidão

E sem lugar nenhum pra fugir…

Lin Quintino

Comentários no Facebook

Pular para a barra de ferramentas