ANDORINHA

2 de Março de 2017 em Poesia

 

Vai minha andorinha,
que desgarrada, habitou, solitária,
este velho farol.
Vai.
Ficarei observando o seu vôo derradeiro,
até a linha do horizonte,
na despedida do sol.
Testemunha silenciosa
desse amor incomum.
Vou ficar aqui,
iluminando a noite dos sonhos,
na esperança.
Vai andorinha,
encontra o seu bando.
Eu vou ficar aqui,
eu e o sol, ouvindo o vento.
Vai andorinha,
eu vou ficar aqui,
na esperança
de um dia você voltar.

Creative Commons License
Este trabalho foi criado por : Mario Rezende Está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 International

Comentários no Facebook

Pular para a barra de ferramentas