Você está no arquivo de Mario Rezende.

ANDORINHA

2 de março de 2017 em Poesia

 

Vai minha andorinha,
que desgarrada, habitou, solitária,
este velho farol.
Vai.
Ficarei observando o seu vôo derradeiro,
até a linha do horizonte,
na despedida do sol.
Testemunha silenciosa
desse amor incomum.
Vou ficar aqui,
iluminando a noite dos sonhos,
na esperança.
Vai andorinha,
encontra o seu bando.
Eu vou ficar aqui,
eu e o sol, ouvindo o vento.
Vai andorinha,
eu vou ficar aqui,
na esperança
de um dia você voltar.

VERSOS RIMADOS

13 de fevereiro de 2017 em Poesia

VERSOS RIMADOS

Quando a saudade bate no peito,
o tique-taque se apressa de um jeito…
Só a esperança é meu alento
de te ouvir na voz do vento,
de ganhar o abraço apertado
do que estou, cheio de angústia, afastado;
de voltar a receber o teu beijo amoroso
que me faz assim tão saudoso,
de ter de volta o teu carinho, enfim,
cuja falta me faz sofrer assim.
E o pensamento voa,
fica vagando à toa,
e, na solidão da minha noite só,
a esperança que me alimenta é una,
te encontrar, minha estrela, linda…

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
Pular para a barra de ferramentas