Você está no arquivo de Poesia.

Aprendi com o tempo!

22 de maio de 2017 em Poesia

Com o tempo aprendi a gostar de mim, cuidar de mim, e também a gostar de quem gosta de mim.
Sérgio Cancioneiro

TOQUEI A TRISTEZA DA VIDA POBRE

14 de março de 2017 em Poesia

TOQUEI A TRISTEZA DA VIDA POBRE

Marcos Bilac

 

Moro num bairro tranqüilo que as flores são poemas

Que nascem de um coração partido,

Embora tenha conhecido o melhor do sentimento

Que jamais será achado em um saco de lixo.

 

Agora visto essa flor através de uma janela de vidro

Sem tocar nas mãos nuas que são teu, meu amor,

E sem saber o valor dos lábios exibidos

Que, na hora que visito, tenho vontade de senti-los.

 

Não posso mais chorar e deixar cair chuvas de meus olhos

E aprontar a maior vergonha de um homem apaixonado

Que sofre de todos os tormentos conhecidos

E sendo assim não consegue mais dormir.

 

A culpa poderia ser minha nesse sofrer,

Por ter te deixado com o resto do pão,

E te lançar na amargura cheia de piranhas,

Mas a minha vontade foi também ir junto a ti.

 

Hoje meu bater está morrendo por você,

Mesmo que não tenha mais chance de saber disso,

Mas quero revelar todos os meus segredos,

Que estão neste cair de lágrimas.

 

Espere um pouco, meu amor, eu te imploro:

Quero te tocar apenas com o olhar,

Quero te ver em teu leito a descansar,

Quero pegar em teus cabelos amarelos.

 

A culpa pode ser minha,

Por não ter coragem de revelar sobre meu amor,

Mas tive quebras de páginas do nosso livro,

Que nos levaram ao abismo feito, feio.

 

Toquei a tristeza da vida pobre,

Toquei o interesse da desgraçada da vida,

Deixando você de lado, procurando o vazio,

O vazio da história de minha vida miserável, meu amor.

 

Então choro nessas linhas a te avisar, amor,

Que posso mudar tudo sem se preocupar com o ontem,

Pois o hoje está vivo dentro de mim, sem ter medo,

Sem ter medo de amar, sem ter medo errar.

Poema Blues

14 de março de 2017 em Poesia

Sem saber aonde ir,
eu ando por ruas que
levam-me ao mesmo lugar,
um espelho dentro de outro espelho,
eu paro em um bar, tomo
uma dose de conhaque
e sigo meu caminho.
Não tenho um cigarro,
faz quase um ano que não fumo,
mas tenho a minha gaita,
seu som ecoa na avenida
e por um instante, o tempo para,
a vida soa como um filme antigo,
mas nada perdura,
nem mesmo um velho blues…

ANDORINHA

2 de março de 2017 em Poesia

 

Vai minha andorinha,
que desgarrada, habitou, solitária,
este velho farol.
Vai.
Ficarei observando o seu vôo derradeiro,
até a linha do horizonte,
na despedida do sol.
Testemunha silenciosa
desse amor incomum.
Vou ficar aqui,
iluminando a noite dos sonhos,
na esperança.
Vai andorinha,
encontra o seu bando.
Eu vou ficar aqui,
eu e o sol, ouvindo o vento.
Vai andorinha,
eu vou ficar aqui,
na esperança
de um dia você voltar.

VERSOS RIMADOS

13 de fevereiro de 2017 em Poesia

VERSOS RIMADOS

Quando a saudade bate no peito,
o tique-taque se apressa de um jeito…
Só a esperança é meu alento
de te ouvir na voz do vento,
de ganhar o abraço apertado
do que estou, cheio de angústia, afastado;
de voltar a receber o teu beijo amoroso
que me faz assim tão saudoso,
de ter de volta o teu carinho, enfim,
cuja falta me faz sofrer assim.
E o pensamento voa,
fica vagando à toa,
e, na solidão da minha noite só,
a esperança que me alimenta é una,
te encontrar, minha estrela, linda…

Poesia: Amor de mãe

6 de fevereiro de 2017 em Poesia

 

“Amor de mãe: mistério profundo
Ela distante; e eu só no mundo
Lacuna vazia no meu ato de ser
Dela eu nasci, por ela vou viver
Mãe, tua vida foi a luz na aurora
Pensei em ti ontem, hoje e agora”

Trova 2017 (001)

24 de janeiro de 2017 em Poesia

Não entendo esta premissa
que vejo em alguns cristãos,
no afã de fazer justiça
querer matar os irmãos.

Mensamentos de Raios X

16 de janeiro de 2017 em Poesia

Atravesso as Margens
Converso com as areias ao vento
Poeiras de mim
Hora e horas dançando no sol
Filtradas pela fresta da janela
Olho as verdadeiras margens
Enquanto a água passa
Durante a chuva
O sol ainda clareia
Enquanto a água passa
Quente pela areia.

PÉROLAS DO LIXO

5 de janeiro de 2017 em Poesia

QUANTAS VEZES PASSAS LIGEIRO
NUM VEICULO, POSSE SUA
É FRIO CORTANTE, GELEIRO
CAI A NOITE NAS RUAS

O VENTO SOPRA LA FORA
NÃO ATINGE VOCE
NO CONFORTO QUE ESTAIS AGORA
NEM CONSEGUES PERCEBER

NUM CANTO MAL ILUMINADO
PARECENDO TRAPO, UM LIXO
ALGUÉM ALI ESTA JOGADO
E VOCE O QUE TEM COM ISSO?

PORQUE TERIAS CULPA
DESTA INJUSTA SOCIEDADE?
VOCE ASSIM SE DESCULPA
ATÉ FINGE QUE NADA SABE

PORQUE MATAR A FOME
OU ABRANDAR O FRIO
DE UM DESCONHECIDO HOMEM
TALVEZ BÊBADO VADIO

SE TIVESSES A CERTEZA
SIM CERTEZA EU DIGO
DE QUE UMA PÉROLA ESTEJA
JOGADA EM ALGUM LIXO

GARANTO QUE IRIAS A PROCURAR
SEM DESCANSO, BEM CREIO
PELO QUE O MERCADO DA
A UMA PÉROLA SEU PREÇO

ENTÃO AINDA NÃO SABES
QUE NÃO HÁ VALOR NO DINHEIRO?
POIS A PALAVRA DIZ: UMA ALMA VALE
MAIS QUE O MUNDO INTEIRO

PESSOAS DISCRIMINADAS
TRAIDAS, JOGADAS AO LÉU
NÃO VALERIAM NADA?
NÃO TERIAM DIREITO AO CÉU?

O CÉU NÃO É UM LUGAR
EU SEI QUE ESTÁ ESCRITO
ONDE SÓ POSSA ENTRAR
OS ABASTADOS E RICOS.

VOCE NÃO SE ENVERGONHA
EM SE DIZER CRISTÃO
FRENTE A DEUS NÃO SE ACANHA
EM CHAMAR ALGUÉM DE IRMÃO?

SÓ PORQUE TEM UM CARRO
BOAS ROUPAS, POSIÇÃO
ESQUECE QUE É DE BARRO
E PODES ESPATIFAR-SE AO CHÃO?

AQUELE QUE VE FINGE NEM VER
ALI NO CHÃO ESTIRADO
PODERIA SER VOCE
E AI COMO SERIA O CASO?

PODERIA SER UM ENTE SEU
UM AMIGO, ATÉ UM IRMÃO
VOCE QUE SE DIZ SERVO DE DEUS
ESTAR EM BUSCA DA SALVAÇÃO

DEVERIAM MUITOS CRENTES
SIM, DEVERIAM PRATICAR
O QUE NA BIBLIA SE APRENDE
NÃO PARA SI SÓ GUARDAR

ACORDA AMIGO, IRMÃO
NÃO, NÃO SEJAS MAIS DORMENTE
GUARDA O QUE TENS NAS MÃOS
SEGURE FIRMEMENTE.

OLHA OS MENOS FAVORECIDOS
BUSCA AOS DESVIADOS
DE GRAÇA JESUS TENS ADQUIRIDO
O IRÁS QUERER VENDE-LO CARO?

DE GRAÇA TU RECEBESTE
A TUA SALVAÇÃO
REPARTE TAMBEM COM ESTE
COMO JESUS TE FOI, SEJAS A ESTE BOM

LADISLAU FLORIANO
POETA DE CRISTO

Pular para a barra de ferramentas