Dia

31 de dezembro de 2016 em Poesia

Quem me dera
Eu parasse de repetir essa ideia,
Não sou a única na Terra,
Não estou tão na miséria

Morro um pouco por dia
Sou como um morro em deslizamento
Se corroendo lentamente pela erosão
De mais um resfriado malcuidado
Ou de mais uma decepção

O Hoje termina como de costume
Que desejo sufocarei no próximo amanhã?
Sei o que comerei no café da manhã
Sei que terminarei o dia algumas horas
Depois do jantar
Devia aprender a me rebelar

Creative Commons License
Este trabalho foi criado por : Thais de Paula Está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 International

Comentários no Facebook

Pular para a barra de ferramentas